sexta-feira, 16 de março de 2007

"De desde que falei, Diadorim quis muito saber o presente qual era, assim apertando comigo com perguntas, que sem aperreio deixei de responder, até de tarde, quando fizemos estância. A parança que foi - conforme estou vivo lembrado - numa vereda sem nome nem fama, corguinho deitado demais, de água muito simplificada. Aí, quando niguém não viu, eu saquei a mochila, desfiz a ponta de faca as costuras, e entreguei a ele o mimo, com estilo de silêncio para palavras."

João Guimarães Rosa
Grande Sertão: Veredas.
afe,
de mimo,
entendo pouco.
dar de mim,
exercício de ternura,
para a amada,
um presente,
"com estilo de silêncio para palavras"...
Rodolfo Silva

Nenhum comentário: