sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

ao ler

leio o livro Amar, verbo intransitivo - Idílio, de Mário de Andrade.
tento abarcá-lo em sua conjugação difícil, segundo chamou Telê Ancona Lopez.
o que me atrai na leitura é a própria provocação do autor.

“O livro é uma mistura incrível. Tem tudo lá dentro. Crítica, teoria, psicologia e até romance: sou eu. E eu pesquisador.”

é um convite expressionista.
assisto filmes mudos.
ouço óperas de Wagner.
leio poemas.
olho quadros.
tenho que ler Freud.

Fortaleza, 6.2.9.
Rodolfo Silva

Um comentário:

Tais Machado disse...

Saber de seus caminhos letreiros, suas fomes de dentro, um pouco do olhar desejante, e a expressão do querer ler Freud. Obrigada pelas revelações. Boas leituras. Com Freud se diverte, se cresce, se surpreende, se empolga e descobre - pulsão de vida e orte em jogo.