sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

bolha de sabão

para Rosana, irmã.

"guarda o teu coração
porque dele provém
a vida."
Livro de Provérbios, 4:23

ontem de tarde,
fui à padaria comprar pão e mortadela.
na rua da padaria vi uns meninos brincando:
um sobre o muro, soprando bolas de sabão: inúmeras divertidas efêmeras.
outros, na calçada, caçavam as bolhinhas em suas piruetas: leves esféricas brilhantes.

a vida é um dia: bolha de sabão.
cabe nesse dia, o sopro do menino.
espelha no colorido da superfície redonda, o universo:
enquanto cresce
enquanto voa
enquanto desce.

no papoco
não poupa
(não pouca) alegria!


Fortaleza, 4.12.9.
Rodolfo Silva








4 comentários:

FYLLOS LOGOS disse...

Nossa,podemos pactuar sua poesia na mísera realidade social, tal como : "Fui comprar pão, e não tinha dinheiro, e havia miséria nas mesas", não achas?
Beijos!!
Lina,

FYLLOS LOGOS disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
FYLLOS LOGOS disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Brunno Soares disse...

Muito leve, singelo e inevitavelmente belo este poema.